.SIM

-Reacção de José Sócrates(SIC)

-Reacção de Jerónimo de Sousa(SIC)

-Reacção de Francisco Louçã(SIC)

-Reacção de Movimentos pelo SIM(SIC)

-Especial SIC
Últimas notícias
O Referendo nos Blogs

.posts recentes

. (sem assunto)

. ...

. Bom dia..

. ...

. apoio monetário

. ...

. despenalização do aborto

. Promulgação do Presidente...

. Vigarice

. concordo

.arquivos

. Novembro 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

. Agosto 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Novembro 2005

. Outubro 2005

.tags

. aborto

. abstencao

. casal

. celulas

. choro

. condições

. coragem

. crianças

. crime

. debates; sic; aborto

. democracia

. deputados

. desabafo

. despenalizacao

. despenalização

. despenalizado

. despenalizar

. direito

. duvida

. escravatura

. espanha

. estado

. familia

. feto

. governo

. hipocrisia

. igreja

. infértil

. ivg

. jose policarpo

. justica

. legislacao

. menino

. moralista

. morte

. mulheres

. opiniões

. parlamento

. pena morte

. politicos

. portugueses

. ps

. referendo

. vergonha

. vida

. todas as tags

.subscrever feeds

Participe
Envie a sua mensagem para aqui.


Sexta-feira, 9 de Fevereiro de 2007

Progresismo e civilizacionismo

Ouvi dizer ao senhor primeiro ministro que a vitória do sim nos colocaria no pelotão dos países progressitas. Li, subescrito por um ilustre paladino do sim que a vitória deste seria o triunfo da razão e da civilização.
Formidável!
Seremos um pais progressista de apoiarmos a liberalização do aborto.
Mas, já agora, como é possível tanto progressismo num país que não proporciona ao comum dos cidadãos o acesso à saúde ? Quando há milhares de pessoas em listas de espera para serem submetidas a uma cirurgia que lhes salve a vida ou melhore a sua qualidade ? Quando se pede aos reformados que comparticipem os sistemas de saúde (e aqui ao lado a nossa modelar Espanha os isenta)? Quando se fecham maternidades e se exportam partos para Espanha ? Quando se fecham serviços de urgência e se obrigam os doentes a percorrer quilómetros e quilómetros em busca do serviço de saúde mais próximo quando, no obscurantista tempo de Salazar, cada concelho tinha de ter um «médico municipal» e este só podia ir de férias quando tivesse um substituto para esse perído pois a população não pdia ficar sem um clínico ? Quando as pessoas morrem nas bolandas de hospital para hospital, olhando-se primeiro à burrocracia do que à pessoa que está em sofrimento e quiçá em risco de vida ?
Quando se limitam as comparticipações aos serviços privados que prestam serviços de hemodiálise (indispensável à vida, complementando a incapacidade do Estado de responder às necessidades da população) e que, por isso, também limitam a admissão de novos doentes ? Quando se retiram comparticpações nos medicamentos, nos meiso complementares de diagnóstico ? Quando aumenta a tuberculose, própria dos países menos civilizados e testemunho de miséria e de subnutrição (quando no final do Estado Novo se encontrava irradicada no nosso País ?Quando o insucesso escolar é muitas vezes colmatado pelas passagens automáticas sem que os alunos saibam um mínimo correspondente ao seu tempo de escoladridade ? Quando se aumentam e inventam impostos para colmatar dívidas que os que os suportam não fizeram nem foram ouvidos para serem feitos ? Quando o desemprego aumenta assustadoramente sem que haja capacidade inventiva para criar novos postos de trabalho ?
Quando até se criam salas de chuto para que os toxicodependentes consumam as drogas em perfeito clima de assépcia (mas afinal não é proibida a droga ? Então como se vai proporcionar injecção assistida de uma substancia dque é proibida?...) É tudo isto sinal de que somos um país progressivo quando a população anda quase toda de tanga, e se não anda toda, a que ainda não anda é preciso que também ande para não haver diferença ? É que neste cantinho à beira mar plantado só há dois tipos de classes: os políticos ou politicamente correctos e a plebe. Aqueles para se encherem à nossa custa; nós os plebeus para, como dizia o Bispo de Cambrai em 1890, "serem bestas de cargas que se vão carregando cada vez mais, enquanto puderem suportar", e com o nosso trabalho e os impostos altamente imorais com que somos sugados do que conseguimos ganhar, sustentarmos a tal classe de primeira à qual se ascende via politiquismo... Pensemos em quantos gestores do estado entraram e sairam bem governados desde 1982... políticos (licenciados, claro) que de uma mão atrás e outra adiante, em poucos anos se guindaram à categoria de «económicamente muitíssimo desafogados», naqueles que nunca tiveram garra para fazerem trabalho útil, mas tiveram garra para agarrar oportunidade de enriquecerem sem muito trabalho, uma muita lábia, investindo a roupagem de «intelectuais orgânicos» para continuarem a pensar pela plebe que, mesmo que seja culta e ganhe o seu trabalho honestamente, não é esperta para ganhar mais apenas perrorando e trabalhando menos a partir da sua área de conhecimento.
Se somos um país progressista... então não há países subdesenvolvidos porque muitos deles têm uma superioridade moral invejável.
Cantemos Requiem por aquele Portugal que foi tão progressista que acabou com a pena de morte! Sucede-lhe o Portugal assassino de inocentes, por enquanto...
publicado por comunidade às 16:45

link do post | comentar | favorito
|
5 comentários:
De Anónimo a 9 de Fevereiro de 2007 às 18:10
Subscrevo inteiramente. Parabéns pela lucidez do seu contributo!
De kavkaz a 9 de Fevereiro de 2007 às 18:14
O que escreve Não tem sentido real algum.

O aborto existe aos milhares, apesar de haver uma lei que o reprime e manda prender as mulheres.

O que se pretende com o SIM, é a alteração da lei, para que o que acontece agora na clandestinidade possa ser conhecido e feito na legalidade, com condições hospitalares dignas para a mulher. Ela paga impostos e deve ser apoiada pelo Estado e não perseguida.

A IVG precisa de apoio médico, Não de polícias.

Só votando SIM se pode mudar a realidade escondida. O voto SIM não obriga ninguém à IVG !

Votando Não é pretender que se mantenha a mesma situação destes últimos oito anos e que foi a vergonha do Não !

Voto SIM com responsabilidade e maturidade, em plena consciência de ser o melhor para as mulheres e para Portugal !
De Assumir a 9 de Fevereiro de 2007 às 18:27
Eu Gostarei de assumir as responsabilidades espirituais de votar "NÃO". Desde já desejo e peço a Deus que as responsabilidades de deixar nascer uma vida possam cair sobre mim...
Agora se os adeptos do "sim" forem tão certos de estarem certos, também podem desejar desde já e pedir a Deus que as responsabilidades de retirar a vida ao feto (criancinha no seu estado mais frágil), possa recair sobre eles... façam isso... em vez de virem para os blogs com os vossos argumentos, peçam ao universo que faça recair sobre vocês essa responsabilidade... Certamente que se estiverem certos irão cair boas coisas sobre vocês.


De Maria Francisca a 9 de Fevereiro de 2007 às 21:28
Quando ouvimos aquele que está á frente do governo ser tão inconsciente , frio, tosco e imaturo é muito gratificante ler as suas palavras lúcidas , honestas e coerentes.Parabéns.
De kavkaz a 11 de Fevereiro de 2007 às 20:27
SSSSSSSSSIIIIIIIIIIIIIIIMMMMMM !!!!!!!!!!!!!!


O SIM GANHOOOOOOOOOUUUUUUUUU !!!!!!

PARABÉNS PORTUGAL !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

VIVA PORTUGAL !!!!!!!!!!!!!!!

Comentar post

.NÃO

-Reacção de Marques Mendes(SIC)

-Reacção de Ribeiro e Castro(SIC)

-Reacção de Movimentos pelo Não(SIC)

.links