.SIM

-Reacção de José Sócrates(SIC)

-Reacção de Jerónimo de Sousa(SIC)

-Reacção de Francisco Louçã(SIC)

-Reacção de Movimentos pelo SIM(SIC)

-Especial SIC
Últimas notícias
O Referendo nos Blogs

.posts recentes

. (sem assunto)

. ...

. Bom dia..

. ...

. apoio monetário

. ...

. despenalização do aborto

. Promulgação do Presidente...

. Vigarice

. concordo

.arquivos

. Novembro 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

. Agosto 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Novembro 2005

. Outubro 2005

.tags

. aborto

. abstencao

. casal

. celulas

. choro

. condições

. coragem

. crianças

. crime

. debates; sic; aborto

. democracia

. deputados

. desabafo

. despenalizacao

. despenalização

. despenalizado

. despenalizar

. direito

. duvida

. escravatura

. espanha

. estado

. familia

. feto

. governo

. hipocrisia

. igreja

. infértil

. ivg

. jose policarpo

. justica

. legislacao

. menino

. moralista

. morte

. mulheres

. opiniões

. parlamento

. pena morte

. politicos

. portugueses

. ps

. referendo

. vergonha

. vida

. todas as tags

.subscrever feeds

Participe
Envie a sua mensagem para aqui.


Sábado, 10 de Fevereiro de 2007

JÁ PENSOU BEM?

Quase tudo foi dito e redito à exaustão.
A campanha do referendo sobre a liberalização total do aborto até às 10
semanas aproxima-se do seu termo.
Seguir-se-á o período de reflexão que antecede imediatamente o voto a 11 de
Fevereiro.
No choque de argumentos e de contra-argumentos ficam naturalmente dúvidas
naturais, dilemas morais, problemas de consciência.
Passo a explicar como os encaro.



1º - Primeiro o bébé. Depois a mãe. Estando fundamentalmente em causa uma
opção entre a vida ou a morte do primeiro, o único bem jurídico que se lhe
poderia opor – em dignidade e importância – seria o da contingência de vida
ou morte da mãe. Ora, esta situação-limite encontra-se já contemplada na lei
actual da IVG. Por isso, qualquer outro argumento – conveniência, conforto,
gravidez indesejada, disposição livre do corpo, simples desejo da mulher
grávida, etc. – não pode senão submeter-se ao superior direito à vida, e ao
direito a nascer, por parte do filho. Numa sociedade tem de haver
prioridades claras. Nem tudo pode ser relativizado.

2º - A mãe não pode ser juiz, quando é parte interessada. Do mesmo modo que
o bébé não pode ser réu, quando tem direitos inalienáveis. No tribunal da
decisão última em que se joga a vida do bébé quem o defende? É concebível
alguém ser condenado à morte sem defesa, sem que se cumpra o elementar
direito ao contraditório? Dir-se-á que o bébé não tem voz, não pode fazer
ouvir as suas razões. Neste caso - in dubio pro vita – terá forçosamente de
se presumir que o bébé quer viver, quer nascer, quer ter a oportunidade de
ser ele, único e irrepetível, de poder amar e ser amado. Quem se pode
arvorar o poder absoluto de lhe negar esse direito, de dispor
unilateralmente da sua vida?

3º - Não a mudar o Código Penal. Sim a aperfeiçoar o Código de Processo
Penal. São duas prioridades distintas. O voto NÃO deixará como está o actual
artigo 142º do Código Penal e manterá a protecção da vida do bébé excepto
nas situações especiais já nele previstas: perigo de morte ou de grave e
duradoura lesão para o corpo ou para a saúde física ou psíquica da mulher
grávida; doença grave ou malformação congénita incuráveis do filho; gravidez
resultante de crime sexual. Impõe-se, outrossim, em termos equilibrados, o
ajustamento de disposições suspensivas já contempladas no Código de Processo
Penal para proteger a dignidade da mulher que abortou e para lhe assegurar
todos os meios indispensáveis a uma plena recuperação pessoal, social e
cidadã. Se o NÃO ganhar e, por birra, uma maioria parlamentar impedir que,
em sede de Processo Penal, se proteja a mulher ... ficará evidenciado quem
quer efectivamente que “a mulher vá para a cadeia”.

4º - Pena sem crime, nunca. Crime sem pena, com certeza, desde que as
circunstâncias concretas o determinem. É esse mesmo o princípio fundamental
da administração da justiça num ordem jurídica evoluída. Os magistrados não
se querem autómatos, meros tecnocratas da aplicação da moldura penal.
Querem-se ponderados, justos e humanos, capazes de discernir, perante o
drama humano em presença, a solução mais adequada à plena recuperação e
integração da pessoa que foi levada a abortar em circunstâncias difíceis.
Todos os dias, nos tribunais portugueses, há arguidos, acusados de crime
mais ou menos graves, aos quais não se aplica pena porque a ponderação das
circunstâncias concretas e contextuais assim o aconselham. Outra forma de
entender a função jurisdicional seria aberrante e deploravelmente
mecanizada.

5º - Ter um filho é um acto moral. Engravidar não pode ser um mero acidente.
Isto é sobretudo evidente quando, nunca como hoje, se aperfeiçoaram métodos
eficazes de contracepção. Ao Estado pede-se, exige-se, uma tomada de posição
clara, um empenhamento efectivo na educação sexual dos seus cidadão; para
que a concepção seja cada vez mais responsável e responsabilizante. Ao
Estado pede-se, exige-se, que ultrapasse a sua confrangedora inoperância
neste domínio e que não queira aligeirar a sua responsabilidade propondo o
aborto livre aos que mais mereceriam a sua protecção: as mulheres
fragilizadas, os segmentos populacionais mais vulneráveis, os casais menos
esclarecidos. Caso contrário, em vez de termos mulheres a abortar em Espanha
passaremos a ter clínicas privadas estrangeiras a instalar-se em Portugal, e
a enriquecer-se à custa dos abortos que, obviamente, não encontrarão
condições de realização nos depauperados estabelecimentos públicos de saúde
do nosso país.

A maioria esmagadora dos portugueses anseia por uma solução equilibrada,
sensata e eticamente aceitável.
Ela é, só pode ser uma.
Votar não no referendo para proteger a vida.
Exigir sim dos legisladores na construção de uma solução adequada à
protecção e dignificação da mulher.

Tens dúvidas? Vota NÃO."

Roberto Carneiro
publicado por comunidade às 14:26

link do post | comentar | favorito
|
4 comentários:
De cneves a 10 de Fevereiro de 2007 às 23:51
Caro Roberto Carneiro,
Pensei que já tinha levado com a "dose completa" de demegogia...puro engano meu!
"Bebé", "réu", "carrasco", "juiz"... mas será que estamos a falar da DESPENALIZAÇÃO, ou de mortes e assassinos?
É que se se considera que a mulher que faz um aborto, MATOU um BEBÉ, não percebo como se pode ter tanta ligeireza a "defender" o crime sem pena...
Sinceramente, a DEMAGOGIA terminou ontem à meia noite...
Celestino Neves
De Ana Luisa a 11 de Fevereiro de 2007 às 10:03
Todos os argumentos dos apoiantes do SIM são reveladores dos valores actuais que a sociedade defende: egocentrismo, oportunismo, facilitismo, irresponsabilidade e medo de assumir compromissos..
Na vida nada é perfeito ou garantido e não se pode ter filhos só quando há condições especiais para os ter e educar porque tudo pode mudar de um momento para o outro.Ninguém conta com as capacidades de sobrevivência que o ser humano tem.Que garantias tem um bébé que nasce numa familia bem estruturada e endinheirada que a sua vida vai ser um mar de rosas? É tudo relativo, a felicidade nem sempre é proporcional a uma boa conta bancária , nem se pode garantir que uma familia equilibrada vai ter filhos felizes.
O milagre da vida não tem paralelo e uma mulher que engravida sabe que sente uma força interior inexplicável e pelos filhos uma mãe consciente encontra forças para lutar de uma forma incrivel .
Como se pode esquecer tudo isto e partir para uma solução aterradora e matar um feto? Para despenalizar o aborto vai-se cometer um crime ainda maior:destruir voluntáriamente uma gravidez!
Caramba , que frieza e pragmatismo a lidar com o bem mais precisoso que é a vida humana!
Parabéns Dr.Roberto Carneiro e Dra Rosário por defenderem esta causa tão nobre: a VIDA!
De cneves a 11 de Fevereiro de 2007 às 15:10
Cara Ana Luisa,
Perdoe-me a franqueza, mas quem é você para pôr "etiquetas" depreciativas a alguém?
Não será você (e os apoiantes do NÃO) que, preferindo meter a "cabeça na areia" ou "assobiar para o ar" optam claramente pela irresponsabilidade e demonstram medo de ASSUMIR COMPROMISSOS?
Será que, se o SIM ganhar, alguém vai obrigar alguém a fazer um aborto?
Porque será que os defensores do NÃO, para a defesa dos seus princípios, que são tão respeitáveis como quaisquer outros, precisam da "muleta" da Lei para obrigar quem discorda dos mesmos, a segui-los?
USEM A ARGUMENTAÇÃO, AMEACEM COM A EXCUMUNHÃO, DISTRIBUAM DVD'S CHOCANTES A CRIANÇAS DE 11 ANOS, mas fiquem-se por aí!
Celestino Neves
De kavkaz a 11 de Fevereiro de 2007 às 20:17
SSSSSSSSSIIIIIIIIIIIIIIIMMMMMM !!!!!!!!!!!!!!


O SIM GANHOOOOOOOOOUUUUUUUUU !!!!!!

PARABÉNS PORTUGAL !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

VIVA PORTUGAL !!!!!!!!!!!!!!!

Comentar post

.NÃO

-Reacção de Marques Mendes(SIC)

-Reacção de Ribeiro e Castro(SIC)

-Reacção de Movimentos pelo Não(SIC)

.links