.SIM

-Reacção de José Sócrates(SIC)

-Reacção de Jerónimo de Sousa(SIC)

-Reacção de Francisco Louçã(SIC)

-Reacção de Movimentos pelo SIM(SIC)

-Especial SIC
Últimas notícias
O Referendo nos Blogs

.posts recentes

. (sem assunto)

. ...

. Bom dia..

. ...

. apoio monetário

. ...

. despenalização do aborto

. Promulgação do Presidente...

. Vigarice

. concordo

.arquivos

. Novembro 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

. Agosto 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Novembro 2005

. Outubro 2005

.tags

. aborto

. abstencao

. casal

. celulas

. choro

. condições

. coragem

. crianças

. crime

. debates; sic; aborto

. democracia

. deputados

. desabafo

. despenalizacao

. despenalização

. despenalizado

. despenalizar

. direito

. duvida

. escravatura

. espanha

. estado

. familia

. feto

. governo

. hipocrisia

. igreja

. infértil

. ivg

. jose policarpo

. justica

. legislacao

. menino

. moralista

. morte

. mulheres

. opiniões

. parlamento

. pena morte

. politicos

. portugueses

. ps

. referendo

. vergonha

. vida

. todas as tags

.subscrever feeds

Quarta-feira, 17 de Janeiro de 2007

Retalhos da vida de uma médica (1)

Retalhos da vida de uma médica (1)A verdade possível Peço desculpa por nâo poder responder directamente aos comentários que me fazem mas só desta forma consigo enviar mensagens.Se comprendi bem a grande maioria daqueles que são contra a despenalisação da terminação voluntária da gravidez (TG) fazem-no em nome de principios que lhes parecem fundamentais, cristalinos, lógicos e não negociáveis. Há os que acreditam que a "esperança é a última coisa a morrer" e que o ser humano em potência pode ser e deve ser poupado em todas as circonstâncias; estão convencidos que será sempre possível encontrar uma solução aceitável se a mãe e a criança forem ajudadas pela sociedade que deverá desenvolver acções nesse sentido. São pessoas "óptimistas" e consideram que a lei actualmente em vigor já é demasiado permissiva e que a terminação da gravidez por motivos de violação ou malformação fetal não deveria ser aceite. Este grupo de pessoas conta com muitos médicos, colegas meus que tal como eu abraçaram esta profissão acima de tudo com a vontade de dar o seu melhor para ajudar os outros. Há um segundo grupo de pessoas que aceita a TG nas indicações previstas pela lei actual mas que é contra a TG a pedido da mulher ou noutros casos que não estejam previstos (em suma estão satisfeitos com a lei actual). Tb já li comentários de pessoas que aceitariam alargar as indicações previstas pela lei actual mas que são fundamentalmente contra a TG a pedido da mulher. Penso que resumi a posição da grande maioria das pessoas que votarão Não. As posições acima resumidas não me surpreendem. Tão pouco tenho a pretensão de tentar convencer alguém a mudar de "princípios". Aquilo que vos proponho é o confronto das vossas posições com o teste da realidade. É a realidade que nos inspira e nos corrige nas nossas leituras e interpretações do mundo. Foi o contacto com uma realidade diferente da portuguesa (uma sociedade mais aberta e mais tolerante em relação aquilo que temos de mais humano: as nossas dúvidas e hesitações, os nossos recúos) que me fez mudar de posição e atitude em relação à interrupção ou terminação da gravidez, ou se preferirem o aborto.Como já se viu escrevo mal. Assumo a inteira responsabilidade dessa falha na minha formação e trabalharei para a corrigir. Na verdade pouco me importa se escrevo mal (tenho outras preocupações mais urgentes) mas gostava que percebessem o que escrevo. Tb não sei fazer filmes (seria a melhor maneira de vos mostrar algumas imagens do mundo real), mas vou esforçar-me para vos descrever sumáriamente (com nomes fictícios e alterações necessárias) alguns casos que segui. São histórias muito tristes escolhidas com um propósito essencial: o de mostrar que se não "ouvirmos" e respeitarmos o que nos pedem as mulheres podemos contribuir para agravar injustiças e tornar muito infelizes as mulheres que nos procuram. Acima de tudo não estaremos a cumprir essa missão importante quer sejamos médicos, professores, assistentes sociais ou simplesmente cidadãos e cidadãs com um sentido de humanismo: a de ajudar os outros. Nalguns casos não é mesmo possível, nem com toda a ajuda do mundo, salvar a vida de um ser humano em potência se queremos respeitar a dignidade, a integridade e a saúde mental da mulher. Servem tb para ilustrar o papel central que têm os profissionais da saúde no acolhimento e seguimento destas mulheres. 1- Conheci a Bárbara aos 14 anos pouco tempo depois de eu ter chegado à Suiça. Eu dava consultas de ginecologia para jovens. Ela trabalhava como empregada doméstica em casa de uma outra familia portuguesa pois a sua própria familia, que vivia no norte de Portugal assim a obrigára. Veio com uma amiga à consulta pq não tinha o período há 2 meses. Disse-me que tinha tido uma única relação sexual imprevista 2 meses antes numa festa com um rapaz mais velho que não conhecia. A gravidez era de 10 semanas. Disse-nos que não a queria e que não podia de maneira nenhuma guardar aquela gravidez e começou a chorar e a soluçar. As diferentes possibilidades foram discutidas. Depois de ver uma assistente social e um psicólogo confirmou o seu pedido de TG. Eu sentia que havia qualquer coisa que ela não nos tinha dito e disse-lhe isso mesmo e que gostaria de a ajudar. Foi com dificuldade que a convenci a deixar-nos guardar um fragmento de placenta para eventuais exames de reconhecimento da paternidade (insisti pois tratava-se de uma rapariga muito jovem e eu sabia pouco do que realmente se tinha passado). Uns dias mais tarde a IG ocorreu sem problemas. Passadas 2 semanas ela veio novamente ter comigo: sentia-se muito aliviada e queria dizer-me que o pai da criança não tinha sido nenhum desconhecido mas o senhor em casa de quem trabalhava. E que antes dela já outra empregada tinha sido despedida, ao que parece tb grávida. A Bárbara teve direito a uma protecção social, o caso foi a julgamento, havia a prova de crime (o fragmento de placenta) e o criminoso foi condenado. Quantos teriam recusado esta IG "a pedido da mulher" e teriam obrigado uma rapariga de 14 anos a carregar a gravidez até ao fim (para o ser humano em potência poder ser adoptado por uma outra familia)? E quantos seriam capazes de lho anunciar olhos nos olhos? De acordo com a lei actualmente em vigor em Portugal não tendo havido "queixa" de violação a Bárbara não teria direito a uma TG. Como ela estava na depêndencia directa do criminoso nunca se teria atrevido a fazer queixa. Tão pouco a idade ou o facto de ter uma situação social de grande precaridade são consideradas indicações. E as mulheres, especialmente as mulheres jovens dizem-nos o que podem quando podem e apenas se se sentem compreendidas. Não por "maldade" ou "conspiração" femininas, mas porque é assim o ser humano. As mulheres de todas as idades só propcurarão os médicos e os profissionais da saúde se houver "opções" a discutir. A criminalização da TG tal como sucede actualmente em Portugal não favorece em nada esse encontro. Infelizmente este foi o primeiro caso entre muitos. Não tenho a mais pequena dúvida que em Portugal os padres, as assistentes sociais, os obstetras (no dia do parto...) se vêem confrontados todos os dias com casos destes. Só me admira que não venham falar mais vezes em público desta triste realidade. Depois do acontecido, a Barbara retomou os estudos, ajudada pelos serviços sociais suiços e pela amiga que tinha vindo com ela às consultas. Ao que parece nem a sua própria familia nem os serviços sociais portugueses lhe deu grande apoio (disse-me a certa altura que era a filha mais nova de 7 e que os pais tinham muito que fazer, e imagino que o mesmo se deve passar com os serviços sociais). Durante os anos que a fui vendo nunca houve a mínima sombra dessa "entidade mistica" chamada sindroma pós-aborto. Continua

**********************************************************************
This email and any files transmitted with it are confidential and
intended solely for the use of the individual or entity to whom they
are addressed. If you have received this email in error please notify
the system manager.
**********************************************************************
publicado por comunidade às 16:37

link do post | favorito
De Diogo a 18 de Janeiro de 2007 às 10:16
o SIM está a perder o debate

Vejam http://anti-aborto.blogspot.com/
De cneves a 18 de Janeiro de 2007 às 13:02
Caro Diogo,
...a perder qual debate? Aquele em que você "participa"? - MAS VOCÊ PARTICIPA?
Antes de mais, deveria conhecer o que significa a palavra "DEBATE"... -Veja no dicionário...
Cumprimentos,
Celestino Neves
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 


.NÃO

-Reacção de Marques Mendes(SIC)

-Reacção de Ribeiro e Castro(SIC)

-Reacção de Movimentos pelo Não(SIC)

.links