.SIM

-Reacção de José Sócrates(SIC)

-Reacção de Jerónimo de Sousa(SIC)

-Reacção de Francisco Louçã(SIC)

-Reacção de Movimentos pelo SIM(SIC)

-Especial SIC
Últimas notícias
O Referendo nos Blogs

.posts recentes

. (sem assunto)

. ...

. Bom dia..

. ...

. apoio monetário

. ...

. despenalização do aborto

. Promulgação do Presidente...

. Vigarice

. concordo

.arquivos

. Novembro 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Novembro 2007

. Agosto 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Novembro 2005

. Outubro 2005

.tags

. aborto

. abstencao

. casal

. celulas

. choro

. condições

. coragem

. crianças

. crime

. debates; sic; aborto

. democracia

. deputados

. desabafo

. despenalizacao

. despenalização

. despenalizado

. despenalizar

. direito

. duvida

. escravatura

. espanha

. estado

. familia

. feto

. governo

. hipocrisia

. igreja

. infértil

. ivg

. jose policarpo

. justica

. legislacao

. menino

. moralista

. morte

. mulheres

. opiniões

. parlamento

. pena morte

. politicos

. portugueses

. ps

. referendo

. vergonha

. vida

. todas as tags

.subscrever feeds

Quarta-feira, 31 de Janeiro de 2007

Liberdade da mulher e vida do filho

Os apoiantes do «não» não deixam de reconhecer o enorme sofrimento em que se
pode encontrar uma mulher a quem se coloque a hipótese de fazer um aborto. E
é precisamente em nome desse sofrimento que pretendem ajudá-la de outras
formas, ao invés de lhe propor um crime como o do aborto que só lhe poderá
trazer mais problemas e não resolve nenhuns dos que ela já tem.
Além disso, não passam uma esponja por cima da existência do fiho que ela
carrega no ventre, porque, diga-se o que se disser, alegue-se com os dilemas
que se alegar, nenhuma das situações apresentadas para justificar um aborto
é tão grave como a pena de morte que recai sobre esse filho indefeso que
cabe a todos nós proteger. Compreendemos esse sofrimento e por isso
defendemos um verdadeiro e dignificante apoio às mulheres que por ele
passam, mas todos somos obrigados neste referendo a escolher entre a
liberdade da mãe e a vida do filho. A liberdade da mãe será muito maior se
ela procurar e tiver boas alternativas ao aborto. A vida do filho só pode
ser garantida se lutarmos contra o aborto, clandestino ou não.
A mulher tem direito a TODAS as escolhas que queira fazer, tal como qualquer
um de nós (e também noutras situações de sofrimento tão ou mais graves), mas
nenhum de nós tem o direito de dar primazia à sua liberdade sobrepondo-a à
vida de alguém. A «imposição» de que tanto se queixam os defensores do «sim»
é semelhante a todas as outras imposições a que estamos sujeitos pelas leis
da sociedade em que vivemos e cujo principal objectivo é preservar bens
maiores do que a liberdade que limitam. Por isso é que nem todas as
«imposições» legais são más ou devem ser evitadas. E a «imposição» de não
matar nenhum ser humano é a primeira e mais fundamental imposição de um
Estado de Direito, para bem de todos nós.
publicado por comunidade às 12:35

link do post | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 


.NÃO

-Reacção de Marques Mendes(SIC)

-Reacção de Ribeiro e Castro(SIC)

-Reacção de Movimentos pelo Não(SIC)

.links